Recent Video

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Não mudar

"Mas não mude nada em vc.
Gosto de vc como vc é.. gosto da sua pessoa.. apenas precisamos mais paciência um com a vida do outro."

Amo vc...

"Vc pisa na bola feio comigo as vezes.. Mas quando resolve ser parceiro, amigo, amar,, vc supera qualquer expectativa."

Vc é o meu amor

"Vc é o meu amor.. quero viver com vc, pra vc... sem pressa.."

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Testemunho

Gosto imenso de ti. Ponto.
Gosto da pessoa, da personalidade, da inteligência, do saber ser e estar.
Obviamente, não me estou a aproveitar de ti. Alguém que «nos» conhecesse até poderia desatar à gargalhada: como é que ele pode aproveitar-se dela? Ou vice-versa? Eles não contactam fisicamente um com o outro. Não estão juntos da forma tradicional, nem está num horizonte próximo que o estejam. Que loucura é essa?
Mas é possível, sim, um aproveitar-se do outro. Como?, perguntarão as almas mais incrédulas. Mentindo. Iludindo. Fingindo algo que não é, que não sente, levando o outro a crer que «Amo-te!» significa realmente «Amo-te!», criar essa ilusão, e afinal não passar tudo de uma encenação grosseira e cruel. E isso nunca te perdoaria, essa mentira de de que todo o amor que me declaras fosse, afinal, uma farsa. Do mesmo jeito que tu terias todo o direito deste mundo e do próximo de me odiar eternamente se nada do que te tenho dito correspondesse à verdade - nada, a maior parte, tudo.
E não estou a falar de passado(s). Esse é teu: amaste, foste amada; tiveste tesão por outrem, outrem teve tesão por ti; fodeste, foste fodida... Em suma, amaste, foste feliz, viveste. É algo que te pertence. Ponto final.
A minha história contigo é posterior e é só essa que me interessa e diz respeito. Ponto (final) número três.
Até mesmo se tiveste 8, 18, 80 homens... não posso julgar ou apontar. Apenas me caberia decidir se aceitaria esse facto ou não e seguir a decisão sem olhar para trás. A História (com H grande) ensina-nos que o presente é o passado e o futuro, porque foi o passado que nos trouxe ao presente e é este - o que fazemos hoje - que vai levar ao nosso futuro. O tempo universal está, pois, interligado e triplamente condicionado, mas não de forma irreversível. O passado, por exemplo, também nos ensina o que fizemos de errado e devemos evitar. Portanto, mesmo que tivesse havido 80, o importante, no final, era se daqui para a frente iria haver mais 80 ou apenas um... em rigor, dois: um mais um.
Depois de todo este tempo, de «exigências de futuro» descabidas (de que me envergonho e hoje acho patéticas, não por elas mesmas, mas pela ocasião e circunstâncias), de demasiados desentendimentos, de muitos mais momentos de entendimento e companheirismo, só espero de ti uma coisa: sinceridade.
Vou pegar no exemplo da foto. Existe aquele provérbio ou o título do filme do James Bond («Nunca digas nunca»). Não existem verdades absolutas (passe a redundância) ou definitivas. Eu sei disso... Mas quero que me digas: não, isso não vai acontecer nunca, do que fazer «promessas» nebulosas e distantes no tempo, que vão alimentando. A desilusão e o desapontamento depois serão enormes.
Do mesmo jeito que me envolvi contigo sem o esperar e desejar, obviamente o verso pode suceder a qualquer instante. A única exigência que faço é que me digas no mesmo segundo, passe a hipérbole. Respeitar-te-ei sempre. A dor e o sofrimento, tal como o amor, não está em nós dá-los ou tirá-los.
Tudo isto porquê para quê?
Bom, eu gosto - sempre gostei - de escrever. Para além disso, para dizer que não te vejo, e nunca te vi até a este momento, como os oito veem alguém que tu conheces. Jamais.
Em maio de 2013, era sexo diferente, com uma mulher mais nova e estrangeira, porém, mesmo assim, havia já algo diferente - o nosso famoso encanto - das outras mulheres que tinha conhecido antes (as do lugar onde nos encontrámos e com quem «falei»).
Como dizem os latinos, «tempus fugit» e, hoje, se não sentisse AMOR por ti, já tinha partido há muito tempo. Sim, tentei duas vezes e voltei logo. Passou mais de um ano depois disso.
Passado todo esse tempo, não tenho nenhuma razão - nenhuma - para ficar contigo, exceto uma. Uma...

sábado, 26 de dezembro de 2015

A vagina perfeita

A vagina perfeita.

El Hombre: Zeus e Hera

El Hombre

LovePalz: Zeus e Hera

Zeus e Hera

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Parabéns, Claudia!

Hesitei muito em quebrar o silêncio entre nós, mas, em última análise, considerei que eram mais significativas as memórias alegres do que passámos juntos do que a separação...

Graças ao «gmail», que guarda todos os contactos a quem enviámos uma mensagem, mesmo que os tenhamos deletado.

Adiante...

É só para te dar um beijinho de parabéns e deixar os votos de que 2014 e anos seguintes te tragam todo o amor e felicidade que desejes.

Parabéns, princesa!


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

"O Americano Tranquilo"

     Em 1952, Saigon vive em plena guerra tendente à sua libertação do domínio francês. É nesse contexto que é assassinado Alden Pyle, um agente da CIA idealista enviado para auxiliar as forças locais. Aí conhece Thomas Fowler, um repórter veterano correspondente do London Times, e os dois rapidamente tornam-se amigos.
     Fowler recorda episódios da guerra que se desenrola naquele país, episódios relativos ao próprio Pyle e ao triângulo amoroso que nasce entre ambos e uma jovem vietnamita, Phuong, amante original do velho correspondente.
     Relativamente à guerra, uma das questões abordadas é a forma como o comando francês destaca as vitórias (pequenas ou grandes) no terreno e as baixas do inimigo, sonegando toda e qualquer informação sobre as derrotas ou as próprias baixas. Outra questão diz respeito à falta de material aéreo de combate, nomeadamente helicópteros. Uma terceira é a ausência de primeiros socorros, o que faz com que mesmo os feridos ligeiros corram perigo de vida.
     Entretanto, Fowler é nomeado editor para os assuntos internacionais, por isso terá de regressar a Londres, apesar de esse não ser o seu desejo. Escreve então à mulher, pedindo-lhe o divórcio, por causa do seu «affair» com Phuong.
     Durante um ataque noturno de que são vítimas, Pyle acaba por salvar Fowler, ferido, transportando-o às costas. Entretanto, este recebe a resposta negativa da mulher ao pedido de divórcio, numa carta onde está bem vincada a amargura dela. Seguidamente, Fowler escreve a Pyle comunicando-lhe o oposto, isto é, que a mulher aceitara o divórcio.
     A verdade acaba por vir ao de cima e Phuong vai morar com Pyle, que se revela envolvido em atentados, cometidos ao serviço da designada Terceira Força do general Thé, distinta dos Franceses e dos Comunistas.
     Certo dia, Fowler vê-se imiscuído num desses atentados, que originalmente tinha como objetivo uma parada militar, entretanto cancelada, e que acaba por vitimar apenas civis inocentes. Entretanto, é-lhe comunicado que ficará mais um ano no Vietname.
     No final, recebe um telegrama da mulher concedendo-lhe o divórcio, ficando assim disponível para Phuong.

"A Condição Humana"

          Tchen assassina, durante a noite, um traficante de armas, para roubar o armamento que ele transporta, pois aquele faz parte de um grupo de revolucionários chineses que está prestes a ir à luta, metade do qual não sabe, porém, servir-se dele / delas.
          Um dos temas focados é o da dependência e submissão da mulher aos homens e das jovens aos pais. Exemplo disso é o caso da jovem de 18 anos que se tenta suicidar no palanquim de noivado, por ser obrigada a desposar um «bruto respeitável». Comentário da mãe ao saber que a filha não morrerá: «Pobre filha! Ia tendo quase a sorte de morrer...».
          Outra personagem é May, uma médica alemã nascida em Xangaie doutora por Heidelberga e por Paris que encanta Kay. Ela é o oposto da mulher chinesa: escolhe o parceiro sexual, por exemplo. Por outro lado, encontra-se ao lado dos insurretos.
          O velho Gisons é um dos exemplos do machismo bruto e ignorante que reina: «A mulher está submetida ao homem como o homem está submetido ao Estado...».
          A revolução começa com a tomada de postos da polícia, uma ação levada a cabo com relativa facilidade. Do outro lado estão figuras como o francês Ferral, que lê naquela situação o fim das suas ambições e da sua ação na China.
          Tchen, juntamente com dois companheiros de armas, intenta um atentado contra Xan-Cai-Xeque, mas não consegue lançar as bombas sobre o automóvel deste. Tchen toma então a decisão de se lançar com a bomba sob o carro de Xan-Cai-Xeque, considerando ser essa a única solução a adotar.
          Tchen executa o seu plano, todavia Xan não viaja no automóvel e quem acaba morto é o próprio Tchen. O atentado desencadeia uma série de represálias: Kyo é preso e, juntamente, com outros camaradas, suicida-se com um comprimido de cianeto.
          A revolução comunista chinesa dos anos 30 é, pois, detida, mas os sobreviventes / resistentes fazem um compasso na resistência para se reorganizar, quer internamente quer no estrangeiro.

As Intermitências da Morte

          Naquele dia, ninguém morreu. É assim que se inicia a obra. Seguidamente, tomamos conhecimento das preocupações de setores como a Igreja (a qual, sem a noção de morte, e consequentemente de paraíso e ressurreição, deixa de ter sentido, bem como a figura de Deus), o governo, os hospitais, os lares, tudo visto por Saramago com grande ironia.
          É então que um velho moribundo tem uma ideia para morrer, juntamente com o seu neto bebé, também sem salvação: serem transportados para o país vizinho.
          A notícia deste ato espalha-se e a família é condenada pelos media e pela população, até se ficar a saber que práticas semelhantes começam a ocorrer por todo o país, nuns casos por misericórdia, noutros para as famílias se verem livres dos pesos mortos que os seus velhos e moribundos constituem lá em casa.
          O governo decide, discretamente, vigiar determinadas zonas fronteiriças para controlar esta prática. Surge, então, em cena um grupo que organiza o transporte dos moribundos, auto-denominado máphia, que chantageia o governo, com base na violência (quatro vigilante em coma por dia), conseguindo que a maior parte dos vigilantes seja desativada e que 35% passem a trabalhar para si, máphia.
          Certo dia, o Diretor da Televisão Nacional lê, em direto, uma carta da Morte, onde esta esclarece que, a partir das zero horas desse dia, tudo voltará ao normal, com uma pequena diferença: as pessoas serão avisadas da sua morte uma semana antes, para que possam resolver os últimos assuntos (testamentos, por exemplo, etc.). Quem imediatamente vê nisto uma extraordinária oportunidade de negócio são as agências funerárias, os carpinteiros que fabricam caixões, os coveiros (por exemplo, exigem um aumento substancial de ordenado). O primeiro a morrer, em cima da meia-noite, é o presidente da associação das agências funerárias (oh, ironia!).
          A intenção da Morte com a sua «greve» é mostrar aos seres humanos o que seria viver para sempre,  mas, ao constatar os resultados dramáticos de tal experiência, decide fazer regressar tudo à primeira forma. E, assim, as pessoas voltam a morrer.
          Passado algum tempo, uma das fatídicas cartas anunciadoras da morte é devolvida várias vezes, o que faz com que a vítima - um violoncelista - permaneça vivo para além da data estipulada para a sua morte. Esta decide, então, alterar o verbete do violoncelista, mudando-lhe o ano de nascimento para o seguinte, o que faz com que o homem se torne «um ano mais novo».
          A Morte decide disfarçar-se de mulher, instalar-se num hotel e ir vê-lo atuar ao vivo. Os dois conhecem-se, encontram-se um par de vezes e, certo dia, ela encontra-se com ele na casa deste, transportando consigo no bolso a carta fatídica. No entanto, os dois acabam por dormir juntos e ter relações sexuais. A Morte queima a carta.
          No dia seguinte, ninguém morreu.

sábado, 11 de agosto de 2012

"No Coração do Império", de Alexandra Vidal

          Ano de 1526. O navio português Nossa Senhora da Conceição regressa a Portugal, após uma incursão da sua tripulação pelo território do Soho, Congo, para captura de escravos. Dentre eles, destacam-se as irmãs Kamaria e Imani, de 16 e 18 anos respetivamente, que vivem com o avô numa aldeia, Lubata.
          Numa manhã fria, o navio aporta em Lisboa. As duas irmãs são separadas para sempre. Imani, agora batizada como Maria da Esperança, segue para a corte, para servir a rainha D. Catarina, casada com D. João III, ocupados em dar um descendente à coroa, após a morte do primogénito, D. Afonso, antes dos dois anos de idade.
          A corte é um local de intrigas e de inveja e a cidade de Lisboa vive aterrorizada com a peste e outras doenças, como a lepra.
          Maria da Esperança acaba por ficar ao serviço da camareira Cecília Bocanegra, que viera no séquito da rainha e descendia de italianos. Ambiciosos, Cecília e o marido, Francisco Velásquez, que tinha a seu cargo a recâmara da casa da rainha, veem na escrava uma forma de lhe agradar e de, assim, subirem na sua consideração e encher de honrarias a sua família e os seus dois filhos, Filipe e Maria.
          A 15 de outubro de 1527, nasce a infanta D. Maria e Cecília decide, ao fim de alguns meses, ensinar a escrava a ler e a escrever, tarefa de que é encarregue o gramático Rodrigo de Montalvão, um nobre de alta condição. Desde cedo, porém, se faz sentir a oposição de Leonor Sampayo, a responsável pela retrete da rainha, que tudo faz para obstaculizar as pretensões de Cecília e a existência de Maria da Esperança.
          Com a passagem do tempo e a convivência, acaba por nascer entre mestre e aprendiz um amor intenso e proibido, vivido às escondidas em razão das diferenças sociais existentes entre ambos. Através de Cecília, Rodrigo de Montalvão solicita uma audiência à rainha para requerer a liberdade para Maria. Estamos a 26 de janeiro de 1___. Quando se dirige para onde a rainha se encontra, inicia-se um terramoto devastador que destrói Lisboa.
          Enquanto Rodrigo desmaia atingido por destroços do palácio, Maria e mais dois escravos acabam por fugir em busca da liberdade. São, porém, capturados pouco depois: o escravo é morto no local, enquanto as duas escravas são chicoteadas e devolvidas ao palácio real.
          Maria procura Rodrigo para lhe explicar a sua atitude, no entanto ele não quer ouvir as suas explicações, graças à fuga em si e às intrigas de Leonor Sampayo, e  repudia-a, acabando, mais tarde, por casar com Leonor. Na noite de núpcias, ele adormece sem consumar o casamento e a relação mantém-se fria e distante ao longo dos anos.